27 de novembro de 2009

Trabalho final

Olá pessoal!

Final de semestre...Que bom, né?

Sensação de dever cumprido!!



O post de hoje está relacionado à análise dos documentos da proposta final. Os nossos documentos têm como contexto, o relacionamento amoroso de Beth Boop e do Professor Utônio, já falamos isso, é só para relembrar, e como todos também já sabem, teve como consequência, o nascimento das meninas, fazendo então com que nossa proposta:Investigação de Paternidade fosse cumprida!

Agradecemos a todos pelo semestre, e até o próximo (esperamos não nos encontrar em Diplomática)!

Abraços

Laudo de paternidade

Contexto de produção: Após a descoberta da paternidade,as meninas quiseram uma confirmação científica da sua filiação.

Espécie: Laudo.

Tipologia: Laudo de paternidade.

Definição: Parecer de especialista que remete a perícia de material orgânico extraído do teste de DNA dos relacionados ao caso. Análise dos genes que leva uma aproximação probabilística entre genes descendentes experimentados e o sujeito a paternidade.

Função arquivística: Comprovação genética para relacionar parentesco das Meninas Super Poderosas com Utônio e Beth.

Trâmite: Acordo para aprovação de uso do material genético, retirada de material processamento do material recolhido,exame contendo dados e estudos referentes à paternidade, laudo médico associado à paternidade.

Data tópica: *

Data cronológica: *

Legislação: Lei 8.560/92

Produtor: DNA vida – Clínica de exame de DNA.

Destinatário:Professor Utônio e as meninas.

Características externas:-

-Gênero: Textual.

-Suporte: Papel.

-Formato: Folha avulsa.

-Forma: Original.

Signos especiais: Assinatura da médica, logomarca da empresa.

Carta de despedida


Contexto de produção:Após o desgaste do relacionamento,Beth Boop,resolve terminar o namoro.

Espécie:Carta

Tipologia:Carta de despedida

Definição: Forma de comum de entre as pessoas.

Função arquivística:Comunicar o fim do relacionamento.

Data tópica:Towsville

Data cronológica:3/01/2001

Legislação:*

Produtor:Beth Boop

Destinatário:Professor Utônio

Características externas:

-Gênero: Textual

-Suporte: Papel.

-Formato: Folha avulsa.

-Forma: Original.

Signos especiais: Assinatura de Beth Boop

Fotografia de aniversário de namoro


Contexto de Produção: Foto tirada como recordação do aniversário de namoro do casal.

Espécie: Fotografia.

Tipologia: Fotografia de aniversário de namoro.

Definição: Forma de se registrar acontecimentos por meio de imagens.

Função arquivística: Demonstrar um relacionamento amoroso entre Beth e o professor.

Trâmite: Combinaram a comemoração do aniversário de namoro,decidiram o local e contrataram o fotógrafo para registrar o encontro.

Data tópica
: *

Data cronológica: *

Legislação
: *

Produtor: Zezé fotógrafo profissional.

Destinatário: Professor e Betty.

Características externas
:

- Gênero: Iconográfico.

- Formato: Fotografia.

- Forma: Cópia.

Signos especiais: *

Certidão de nascimento


Contexto de produção:Após a paternidade ter sido descoberta, as meninas foram registradas.

Espécie:Certidão.

Tipologia:Certidão de nascimento.

Definição:Documento de identificação civil.

Função arquivística:Comprovar a filiação de Florzinha.

Data tópica:Towsville

Data cronológica:5/08/2001

Legislação:Lei nº 9.534: dispõe sobre a gratuidade de registros públicos; lei nº 9.265, de 12 de fevereiro de 1996, que trata da gratuidade dos atos necessários ao exercício da cidadania; e Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994, que dispõe sobre os serviços notariais e de registro.

Produtor: Cartório do 2º Ofício de Registro Civil e Casamentos, Títulos , Documentos e Pessoas Jurídicas

Destinatário:Florzinha Utônio.

Características externas:

-Gênero: Textual

-Suporte: Papel.

-Formato: Folha avulsa.

-Forma: Original.

Signos especiais: Assinatura do responsável pelo cartório, brasão da república,carimbo e selo.

Análise das alianças de compromisso



Contexto:As alianças foram compradas em uma famosa joalheria de Towsville, que se chamava Towsville Rings.Foram compradas para que Utônio e Beth oficializassem a relação.Quando compraram pediram que seus nomes fossem gravados nelas.

Espécie:Aliança.

Tipologia:Aliança de compromisso.

Definição:Par de anéis, geralmente iguais, que um casal compra, para oficializar algum tipo de relação, que pode ser namoro, noivado ou casamento.

Função arquivística:Provar a existência de uma relação entre Beth e o professor.

Trâmite:O casal vai até a joalheria,analisa os modelos existentes, escolhe o modelo desejado,solicita a gravação de seus nomes nas alianças e realiza o pagamento.

Data tópica:*

Data cronológica:*


Produtor:
Towsville Rings

Destinatário:Beth Boop e Utônio

Características externas:
-Gênero:*

-Suporte: metal(ouro)

-Formato:circular

-Forma:original

Signos especial: *

Os filhos são mesmo do Michael Jackson!!!

Advogada diz que Debbie não negou a paternidade de Michael

A advogada de Debbie Rowe, Marta Almli, afirmou que a entrevista onde a ex-mulher de Michael Jackson dizia que Prince Michael Jr, 12, e Paris, 11, não eram filhos biológicos da cantora foi fabricada por veículo britânico.

Almli revelou ao site “RadarOnline.com” que a entrevista publicada pelo tabloide britânico “News of the World” não aconteceu. “o artigo é uma completa fabricação”.

O jornal britânico teria publicado uma entrevista onde Debbie dizia que seus dois filhos com Michael haviam sido gerados por inseminação artificial de um doador anônmo.

Michael possui ainda um terceiro filho, Michael “Blanket” Jackson II, 7, gerado por uma mãe desconhecida

13 de novembro de 2009

Questionamento pré-prova


Qual a diferença entre a autenticidade diplomática, autenticidade legal e autenticidade historica?

12 de novembro de 2009

Recusa em fazer o teste de DNA presume a paternidade



Em ação investigatória, a recusa do suposto pai a submeter-se ao exame de DNA induz presunção júris tantum de paternidade. Assim ficou redigida a Súmula 301 aprovada na segunda-feira (18) pela Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), composta pela Terceira e pela Quarta Turma. Em outras palavras, o texto diz que o suposto pai que se negar insistentemente a fazer o teste de DNA terá declarada a paternidade.
Um dos exemplos clássicos que serviram de referência para a elaboração da súmula, que teve como relator o ministro Antônio de Pádua Ribeiro, foi um recurso especial, do Amazonas. No caso em questão, com acórdão do STJ publicado no Diário da Justiça em 7 de agosto de 2000, o pai se recusou por dez vezes a atender o chamado do juízo de primeiro grau para fazer o teste de DNA. O fato se deu ao longo de quase quatro anos.
Ao chegar ao STJ, em recurso interposto pelo filho contra decisão da Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas, a Terceira Turma julgou em favor do menor. Na ocasião, entendeu-se que a recusa em atender ao chamado da Justiça, aliada à comprovação do relacionamento sexual do intimado com a mãe do menor, gerava "a presunção de veracidade das alegações postas no processo".
A Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas entendera serem insuficientes as provas apresentadas pelo menor, uma vez que não havia o teste de DNA. Disse o acórdão: "Conforme os autos, o exame dos depoimentos suscita incertezas e dúvidas, cujas provas documental, testemunhal e até indiciária não são suficientes para demonstrar de forma cabal e convincente que o apelante é o pai do menor apelado."
Em seu recurso interposto no STJ, I. C. P. alegou que a determinação negara vigência a artigos do Código de Processo Civil (CPC), assim como estaria em desacordo com a jurisprudência de outros tribunais. No STJ, o caso foi decidido com base no entendimento jurisprudencial sobre a presunção de paternidade no caso da recusa reiterada a fazer o teste de DNA. O entendimento foi o mesmo do juiz monocrático, que anteriormente à Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas tinha decidido pela procedência do pedido do suposto filho.
O juiz asseverou: "Quase quatro anos decorridos após a impetração do presente feito, chegando agora ao seu final, pelo menos em termos de primeira instância, visto a intransigência, para não dizer a petulância, arrogância e menosprezo pelas ordens judiciais da parte do réu, em entravar o prosseguimento do mesmo, obstruindo as medidas legais que lhe competia cumprir, sob as mais variadas desculpas, algumas estapafúrdias e outras faltando com a verdade."
Concluiu a seguir: "O reconhecimento da paternidade, no caso, pende dos seguintes requisitos – prova de relacionamento sexual contemporâneo com a concepção; prova de fidelidade ao tempo da concepção; prova de honestidade da mulher (...)." Depois, veio o acórdão do colegiado, o qual desprezou essas considerações. Negou ser valor de prova da presunção de paternidade a resistência do investigado a submeter-se ao exame e, assim, afastou da orientação do STJ, para onde, depois, veio a recorrer o menor.
A súmula, que deverá balizar o entendimento do STJ sobre essa matéria para todos os casos futuros, teve como referência os julgamentos dos recursos especiais 141.689/AM; 256.161/DF; 460.302/PR; 135.361/MG; 55.958/RS e 409.208/PR, além do agravo regimental no agravo de instrumento 498.398/MG. Fonte: STJ - Superior Tribunal de Justiça


11 de novembro de 2009

Formulário

Olá, Pessoal!
Vida corrida, né?


Pois é...por isso que demoramos um pouquinho para postar esta atividade.Mas nos sentimos muito envergonhados e prometemos não atrasar mais as atividades.É sério!rsrsr


Vamos à tarefa!
Nosso objetivo foi criar um formulário que contemplasse as peculiaridades dos documentos que serão analisados no trabalho final, no caso são eles: a cartas de despedida,alianças, foto, certidão de nascimento e o teste de paternidade.


Formulário para aplicação nos documentos de arquivo do professor Utônio.

Contexto de produção: motivos e as circunstâncias na qual a documentação foi produzida.
Definição: Exposição das características dos documentos de acordo com as atividades que o geraram.
Espécie: configuração que assume o documento de acordo com a disposição e a natureza das informações.
Tipologia: é formada pela união da espécie mais a atividade que a gerou.
Função arquivística: razão pela qual o documento foi produzido.
Trâmite: descrição do processo que gerou o documento
Data tópica: lugar onde o documento foi datado
Data cronológica: indicação de dia, mês e ano.
Legislação: embasamento legal observado para a criação do documento.
Produtor: pessoa ou entidade que produziu o documento em função de sua atividade.
Destinatário: quem se destina o documento.
Características externas:
-Gênero: configuração que assume um documento de acordo com o sistema de signos utilizados na comunicação de seu conteúdo.
-Suporte: material sobre o qual as informações são registradas.
-Formato: configuração física que o documento assume de acordo com a sua natureza.
-Forma: estágio de preparação e transmissão de um documento.
Signos especiais: assinatura dos envolvidos na produção do documento.

Inté sexta!
:)

9 de novembro de 2009

Quadrilha engana desempregados!


O fato ocorreu em São Paulo. A quadrilha, que tinham uma falsa agência de emprego, utilizava os dados dos currículos para falsificar documentos e fazer cartões de crédito.Os investigadores encontraram todo o cenário do golpe: uma empresa de fachada, com recepção, salas de entrevista e o escritório da diretoria. Os folhetos eram distribuídos na rua, para atrair candidatos.Super interessante essa parte, ela está se referindo ao contexto em que os documentos foram criados, bacana, né?Diplomática pura! srsrsr

Confira a reportagem na íntegra no sitio do Bom Dia Brasil.

26 de outubro de 2009

Então, vamos contextualizar?

Chegou o dia de explicarmos melhor o motivo gerador do nosso blog. A nossa proposta é a partir de uma história fictícia, apresentar o tema de investigação de paternidade.
Para compreendermos melhor os documentos que serão analisados, não podemos abrir mão de entender os motivos de sua criação. Em outras palavras: entender o contexto de criação.
Segundo Janice Gonçalves, o contexto que vai determinar a circunstâncias para a existência dos documentos.
O contexto para a análise dos nossos documentos é investigação em torno da paternidade das Meninas Super Poderosas. O nosso propósito e mostrar que elas não foram criadas a partir de misturas químicas.

Vamos a História?
A história conta que elas foram criadas, pelo professor Utônio, em um laboratório em Towsville.
Um belo dia, Florzinha, que tinha uma veia arquivística latente, resolveu organizar o laboratório do professor. Foi quando, por um acaso do destino, ela se deparou com um bolo de cartas, fotos do professor Utônio com uma mulher muito familiar, e alguns outros objetos que nada tinham de científicos. Isso a deixou intrigada, mas mesmo assim ela resolveu não invadir a privacidade dele.

No dia seguinte, em mais uma luta para proteger Towsville, as meninas depararam-se com o Macaco Louco, ele, muito vingativo, vendo que mais uma vez tinha sido derrotado por elas, Falou: - Vocês não foram fruto de uma simples experiência química, vocês tem mãe e pai. Pergunte para o professor Utônio – O vilão deu uma risada macabra e saiu. Como deu para perceber, ele plantou a semente da desconfiança em seus corações.

Florzinha que havia ficado intrigada, contou para as irmãs o que havia acontecido no laboratório. Elas associaram o que o Macaco falou, aos objetos suspeitos encontrados no laboratório do professor. Certamente ele escondia algo. As três irmãs de Towsville começaram a investigar a história. Foram ao laboratório e encontraram as fotos, o bolo de cartas e os demais objetos.

Eis que de repente,adentra ao laboratório o professor.Ao vê-las, sentiu que elas já sabiam de tudo.Não tinha mais nada a esconder. Ele confessou o seu passado. Confirmou seu envolvimento com uma mulher que o havia abandonado. E, que, eles haviam tido, coincidentemente, três bebês, que na verdade eram elas.

Ele com medo, por ser de uma família muito conservadora ( ele era a mulher da relação), resolveu cuidar das meninas, mas sem assumi-las de papel passado. Daí veio toda aquela história de criação em laboratório, vê se pode?

Sabe qual o motivo da mulher ter os abandonado?Ela era muito jovem e tinha muito sonhos que ao ser mãe não poderiam ser realizados, como por exemplo, ir para Hollywood e ser atriz. Sabe de quem estamos falando?Da famosa: Betty Boop, isso mesmo. Ela é a mãe das Meninas Super Poderosas.

Olhem a semelhança!

Foto de Betty na infância.

Servirão como provas para comprovação do relacionamento amoroso entre a Beth e o professor, que teve como conseqüência o nascimento das meninas, os seguintes documentos:


Cartas de despedida
Alianças
Fotos
Certidão de nascimento
Laudo de Paternidade



23 de outubro de 2009

Análise dos documentos da MCE-BYTE de acordo com os Arquivistas de Madri

Bem gente, aula passada o professor pediu para nós fazermos uma análise dos documentos da MCBYTE, segundo o modelo dos arquivistas de Madri.
Pois sim, primeiro nós analisamos um documento da série, a nota fiscal de venda ao consumidor.

Nota fiscal de venda ao consumidor

Tipo documental
Denominação: Nota Fiscal de Venda ao Consumidor.
Definição: A nota fiscal é um documento fiscal e que tem por fim o registro de uma transferência de propriedade sobre um bem ou uma atividade comercial prestada por uma empresa e uma pessoa física ou outra empresa.
Conceito retirado da Fonte(s): PT.wikipedia.org/wiki/nota_fiscal.
Código: *
Caracteres Externos:
Gênero: Textual.
Suporte: Papel.
Formato: Avulso
Forma:original
Órgão Produtor: MCE-BYTE Viagens Virtuais.
Destinatário: Empresa ou pessoa física.
Legislação: Lei Federal nº 9.532/1997, artigo 61.
Trâmite: o cliente compra um bem ou uma atividade e a empresa emite a nota fiscal.
Incidências:*
Duração do trâmite: não há tempo fixo.
Documentos básicos que compõem o expediente: *
Vigência administrativa: enquanto houver valor fiscal e probatório.
Eliminação: pode ser eliminado quando cessar seu valor fiscal, administrativo e probatório.
Continuando a atividade solicitada, fizemos a análise de todos os documentos do quite MCeByte!!!
Pedido de viagem virtual
Tipo documental
Denominação: Pedido de Viagem Virtual
Definição: Documento que contém descrição do produto que será adquirido pelo cliente
Código: *
Caracteres externos:
-Classe: textual
-Suporte: papel
-Formato: avulso
-Forma: original
Produtor: MCE-BYTE viagens virtuais (departamento de contratos)
Destinatário: Cliente interessado em adquirir a viagem
Legislação: *
Trâmite: Solicitação em adquirir o produto (viagem) por parte do cliente a empresa, esta gera o pedido para que o cliente preencha com seus dados. Ordenação da série:Ordenação de acordo com o produto adquirido de forma alfabética.
Conteúdo: Dados de identificação do produto, cliente, data de compra.
Vigência administrativa: Até a prestação do serviço
Eliminação: *
Tabela de Preços de Viagens Virtuais
Tipo documental
Denominação: Tabela de Preços de Viagens Virtuais
Definição: Documento que contém descrição do valor dos produtos oferecidos pela empresa Código: *
Caracteres externos:
-Classe: textual
-Suporte: papel
-Formato: avulso
-Forma: original
Produtor: MCE-BYTE viagens virtuais (departamento financeiro).
Destinatário: Cliente interessado em adquirir a viagem ou funcionário que vai vender o produto.
Legislação: *
Trâmite: Empresa especifica o valor dos produtos e serviços a serem prestados e a sua validade.
Ordenação da série: De acordo com o produto adquirido e cronológica
Conteúdo: Nome e preço dos produtos, validade dos preços
Vigência administrativa: Até a prestação do serviço
Eliminação: *
Ficha Funcional
Tipo documental
Denominação: Ficha Funcional
Definição: Documento que contém os dados pessoais do funcionário da empresa.
Código: *
Caracteres externos:
-Classe: textual
-Suporte: papel
-Formato: avulso
-Forma: original
Produtor: MCE-BYTE viagens virtuais (departamento de RH)
Destinatário: Próprio RH
Legislação: CLT
Trâmite: Funcionário é contratado na empresa e seus dados são registrados
Ordenação da série: Alfabética
Conteúdo: Nome do servidor, número de registro funcional, cargo.
Vigência administrativa: Enquanto o servidor permanecer na empresa
Eliminação: 100 anos

Fique esperto, tá na lei!

A postagem da vez está relacionada às leis mais conhecidas que garantem aos filhos o direito de reconhecimento por seus pais. Pode parecer um absurdo para muitos, para outros é uma dura realidade!
Importante lembrar que, não temos a pretensão de analisarmos juridicamente, tal qual um advogado, queremos na realidade, mostrar de uma forma simples às leis que estão diretamente ligadas ao nosso tema: Investigação de paternidade.
Começaremos pela mais conhecida e difundida: o Estatuto da Criança e do Adolescente-ECA. Aprovado em 1990.
Segundo o Art. 27, “O reconhecimento do estado de filiação é direito personalíssimo, indisponível e imprescritível, podendo ser exercitado contra os pais ou seus herdeiros, sem qualquer restrição, observado o segredo de Justiça.”
O ECA prevê também, em seu parágrafo único que "O reconhecimento pode preceder o nascimento do filho ou suceder-lhe ao falecimento, se deixar descendentes".
A justiça entende que este é um direito público subjetivo, que pode ser exercido a qualquer tempo, pois é natural que o indivíduo que, é um ser social, queira conhecer suas origens ,seu parentes..
Outra lei que é de grande relevância é a 8.560/92, que foi alterada em julho de 2009. Tal lei regula a investigação de paternidade de filhos havidos fora do casamento. Tema polêmico.
Antigamente, a presunção da paternidade estava ligada ao matrimônio, logo, filhos que haviam sido concebidos fora das relações de casamento, eram considerados ilegítimos,e não tinham direito algum.
A lei 8.560 atribui à “presunção da paternidade ao suposto pai que se recusar a fazer o exame de DNA, a ser apreciada em conjunto com o contexto probatório”. O contexto é apresentado como prova da relação entre a mãe e o suposto pai. As provas podem ser: fotos, correspondências que comprovem o mesmo endereço, e por aí vai...Por isso muito juízo!
Quem não estiver pronto para assumir a responsabilidade de ter um filho, se previna, ou abstinência total! srsrsr

22 de outubro de 2009

Como funciona o teste de paternidade?






O teste de paternidade, também chamado de teste de DNA, permite comparar as informações genéticas do DNA do indivíduo com aquelas encontradas no DNA do suposto pai.

O DNA (ácido desoxiribo-nucleico, ADN) é uma substância que transmite as características hereditárias dos pais para os filhos. Está presente em todas as células do corpo, e assim o teste de paternidade pode ser feito com qualquer tecido que contenha DNA.

As amostras de mucosa bucal são preferíveis porque a recolha de amostras é mais fácil e também a extracção do DNA é menos trabalhosa. Mas o DNA pode ser extraído também de outros materiais biológicos, como unha, sangue, sêmen etc. O tipo de DNA e a idade das pessoas não influenciam o teste, pois o DNA de uma pessoa fica a mesmo por toda vida. Assim crianças podem ser analisadas desde o nascimento.

A recolha de amostras pode ser feito sem problemas e sem causar dores mesmo com bebês recém-nascidos. Até um teste antes do nascimento pode ser realizado,tendo em vista que a composição do DNA já é a mesma no óvulo fecundado e no adulto.

O conjunto de moléculas de DNA compõe os cromossomas, que estão localizados no núcleo das células e arranjados aos pares. Têm dois conjuntos de cromossomos, um proveniente da mãe e outro do pai. Assim para cada região da DNA analisada tem duas cópias, chamadas alelos, uma delas de origem materna, e a outra, de origem paterna.

No teste de paternidade os dois alelos de cada região são analisados para cada pessoa incluída, assim se recebe um perfil da pessoa: a chamada impressão digital genética. Depois os perfis das pessoas são comparados e um alelo de uma região da criança deve ser encontrado no perfil da mãe e o outro no perfil do pai. Se alelos de três regiões da criança não tiverem alelos correspondentes no perfil do suposto pai, este homem não pode ser o pai biológico da criança e a paternidade será excluída. Uma discordância só ainda pode ser explicado com um acontecimento que ocorre muito raramente - a mutação. A probabilidade que duas mutações ocorrem dentro das 16 regiões da análise de uma pessoa é tão pequena como a probabilidade que todas regiões menos duas concordam somente por acaso. Porém esse caso acontece muito raramente e é impossível decidir.

Na maioria desses casos um homem parente do suposto pai é identificado como pai biológico. Como os alelos ocorrem numa população com uma frequência diferente, as concordâncias de alelos também têm um peso diferente. Um alelo muito comum, encontrado tanto na criança como também no suposto pai, não significa muito e não aumenta a probabilidade de paternidade. Um alelo muito raro encontrado nos dois perfis é uma indicação boa que o homem analisado deve ser o pai biológico da criança.

No resultado será indicada a probabilidade que as concordâncias não ocorreram somente por acaso. Como a cálculo desta probabilidade depende dos alelos encontrados na análise, só podemos indicar o número mínimo das regiões que serão analisadas nos nossos testes com uma probabilidade garantida. Não podemos porém indicar quantas regiões será necessário analisar para alcançar a probabilidade garantida.

O teste é bem mais preciso e seguro, se a mãe é analisada também. Neste caso compara-se o perfil da criança com o da mãe. Resta comparar a outra metade dos alelos com o perfil do pai. Assim concordâncias por acaso ficam bem mais raras.

O teste pode ser realizado também sem a mãe, mas a probabilidade é bem menor comparado com testes que incluem a mãe. Para alcançar uma probabilidade parecida regiões adicionais podem ser analisadas. A impressão digital genética como é determinada num teste de paternidade, também serve para investigar outras relações parentescas - por exemplo, se gêmeos são dizigóticos (bivitelinos, gêmeos fraternos) ou monozigóticos (univitelinos, gêmeos idênticos) ou se alguém é o avô, o tio ou o primo de uma outra pessoa etc..

Fonte: laboratório de paternidade Delphitest.



16 de outubro de 2009

aula do dia 09/07/2009 Filme, he, he.


Olá,

Gente, na aula do dia 09 de outubro, assistimos o filme deu a louca na chapeuzinho. É um desenho animado que reescreve o conto do lobo mau só que agora ele é bonzinho. Resumindo, a animação acontece da seguinte forma:policiais do mundo animal ( um sapo, um urso, etc) investigam uma anormalidade na floresta: uma tentativa de assassinato envolvendo uma senhora (vulgarmente conhecida como vovó) , a neta, uma garota conhecida como Chapeuzinho Vermelho, um lobo aparentemente mau e um camponês com o seu machado.

As acusações são muitas: roubo de um livro de receitas, invasão de domicílio, distúrbio do silêncio na vizinhança e manuseio de um machado sem licença.

O que percebemos é que a reconstituição da história foi fundamental para se descobrir a verdade. Analisando diplomaticamente, vemos que o contexto em que os fatos foram ocorrendo foi fundamental para o desenrolar dos acontecimentos....




então tá gente...

2 de outubro de 2009

Operação Garatusa põe fim a fraudes no DETRAN/DF

Olá pessoal,

A notícia é quente!
Hoje ,dia 02/10, a Polícia Civil prendeu 22, das 25 pessoas envolvidas em esquemas fraudulentos no DETRAN/DF.Dos presos,12, eram servidores no próprio órgão(concursados, cedidos e servidores em com cargo em comissão).
A quadrilha negociava a emissão de carteiras de motoristas, retirada de pontos na carteira, renovação de habilitação.

Click na imagem para ampliar.




Imagem tirada do seguinte sitio

28 de setembro de 2009

Craque do timão enfrenta investigação de paternidade!


Ronaldo (fenômeno) enfrenta investigação de paternidade. Como o fato tem tudo haver com o nosso tema, resolvemos acompanhar o caso. O processo de investigação de paternidade foi movido por uma jovem, que alega ter se relacionado com ele em 2004, uma única vez, e que o fruto desse relacionamento foi um Baby que hoje tem 4 aninhos! Ronaldo já tem dois herdeiros, e sua atual mulher espera o terceiro filho. Será que vem mais um por herdeiro por aí?




25 de setembro de 2009

Falsificação de assinatatura...

Bom, na quarta atividade o profº sugeriu que fosse feito um certificado.Implicitamente ele nos ensinou a falsificar documentos (rsrsr)Mas sentimos falta de uma coisa:a falsificação da assinatura.Foi pensando nisso que esse tópico foi criado. hehehe
Brincadeira gente!!! Isso é crime.
O link a baixo é um site que ensina como falsificar assinaturas, como arrombar um cofre... Coisa do mal, né?

Tarefinhas dos documentos MCByte

Bonjour!!

Mais uma sexta-feira radiante! ;)
Colocando em dia nossas atividades, estaremos postando as atividades do dia 18/09 e do dia 11/09, respectivamente.

Na aula passada, continuamos atrabalhar com os documentos da MCE-BYTE, nossa missão era criar um plano de classificação para a instituição.



Aos 20 minutos do segundo tempo (depois do intervalo), o professor nos pediu para que fosse feita a análise dos elementos internos e externo dos documentos da MCE-BYTE.
O documento escolhido foi o pedido de viagem.

Eis ai a imagem do pedido!!!



Elementos externos
Suporte: papel
Formato: avulso
Preparação para receber a mensagem: campos a serem preenchidos, tanto pela empresa quanto pelo cliente.
Linguagem: português
Signos especiais: logomarca da MCE-BYTE

Pessoas
Autor do ato: Vinícius Lima e Elizete Lima
Autor do documento: MCE-BYTE
Destinatário do ato: Vinícius Lima e Elizete Lima
Destinatário do documento: MCE-BYTE
Escritor: MCE-BYTE e Vinícius Lima e Elizete Lima

Tipo de ato
Contratual

Nome do ato
Autorização para implante de memória

Tipo de documento
Nome: contrato
Natureza: privada
Função: documento de ajuste (pactuais)
Estado: Original

Descrição diplomática
Contexto: pedido de viagem virtual, por meio de implante de memória, no dia 19/04/1997,na cidade do Rio de Janeiro, solicitado por Vinícius Lima e Elizete Lima.
Documento: pedido de viagem, original, em papel, emitido em uma via.


Atividade do dia 11/09

Foi proposto em sala, que fosse feita a identificação dos elementos principais que compõe os documentos da MCE-BYTE.

Nota fiscal
-Identificação da empresa
-Cadastro da instituição em órgão de fiscalização
-Número de identificação do documento
-Dados sobre a aquisição do produto (nome da pessoa que adquiriu o produto, endereço e data).
-Discriminação do produto (valor, quantidade).
- Identificação da gráfica que gerou o documento (endereço, cadastro em órgão de controle estadual, identificação de data e quantidade produzida)

Pedido
- Identificação da empresa
- Dados do produto a ser adquirido
- Dados do cliente (nome, endereço, cidade, telefone, CEP, RG, data de aquisição do produto e assinatura)

Ficha funcional

- Dados da instituição
-Identificação do funcionário (nome, CIC, RG, conta bancária, telefone, endereço, data de nascimento)
-Número de registro do funcionário na empresa
-Data de admissão e de rescisão
-Cargo exercido

Tabela de preços

-Identificação da instituição
-Data de validade dos preços especificados na tabela
-Especificação dos produtos (identificação do produto, custo inicial, comissão, custo total, impostos, preço final)

.

21 de setembro de 2009

Glossário

Diplomática
Disciplina que tem como objeto o estudo da estrutura formal e da autenticidade dos documentos
(Dicionário de Terminológia Arquivística)

Tipologia
Estuda o meio de interação documental, em que a produção e uso jurídico-administrativo é estritamente associado a atividade que o gerou, ou seja, o produtor e interesses e relações da criação do documento.

Documento
Unidade de registro de informações, qualquer que seja o suporte.
(Dicionário de Terminológia Arquivística)

Suporte
Material no qual são registradas as informações.
(Dicionário de Terminológia Arquivítica)
Gênero documental
Reunião de espécies documentais que se assemelham por seus caracteres essenciais, particularmente o suporte e a forma de registro da informação, como documento audiovisual, documento bibliográfico, documento cartográfico, documento cinematográfico, documento iconográfico, documento eletrônico, documento micrográfico, documento textual.
(Dicionário de Terminológia Arquivítica).
Espécie Documental
Divisão de gênero documental que reúne tipos documentais por suas características comuns de estruturação da informação. São exemplos de espécies documentais ata, carta, decreto,disco, filme, fotografia, memorando, ofício, planta, relatório.
(Dicionário de Terminológia Arquivítica).

Cópia
Reprodução de um documento, geralmente qualificada por sua função ou processo de duplicação.
(Dicionário de Terminológia Arquivística).

Cópia autênticada
Cópia exata conferida à vista do original, por autoridade competente, possuindo fé pública.
(Dicionário de Terminológia Arquivística).

Série
Subdivisão do quadro de arranjo , que corresponde a uma seqüência de documentos relativos à mesma função, atividade, tipo documental ou assunto.
(Dicionário de Terminológia Arquivística).
Teste de paternidade
Comparação dos genes do DNA criança com os do suposto pai.

DNA
(ácido desoxiribo-nucleico, ADN) é uma substância que transmite as características hereditárias dos pais para os filhos.
(laboratório delphitest)

17 de setembro de 2009

Questões sobre o texto da Luciana Duranti

Oi, gente segue nossas questões sobre os texto. Tá tudo uma moleza.....

1) Segundo Duranti, quais são os elementos internos que podem ser considerados em uma forma documental?

2) De onde pode-se captar a compreensão real dos nomes dos documentos e de sua natureza?

3) Quem e que ação foi tomada frente controversias sobre a autenticidade quanto a diplomatica.

4) Segundo Bellotto e Duranti, as partes do documento diplomático são decodificadas Pela análise diplomática. Quais são as partes distintas que esses documentos devem possuir, segundo as autoras?

5) De acordo com Duranti, conceitue documento autêntico e documento genuíno.

Divirtam-se..
inté..

14 de setembro de 2009

MCEByte referência ao artista gráfico dos impossíveis, Maurits Cornelis Escher


MCE-Byte faz referência a este senhor, Maurits Cornelis Escher "(Leeuwarden, 17 de Junho de 1898 - Hilversum, 27 de Março de 1972) foi um artista gráfico holandês conhecido pelas suas xilogravuras, litografias e meios-tons (mezzotints), que tendem a representar construções impossíveis, preenchimento regular do plano, explorações do infinito e as metamorfoses - padrões geométricos entrecruzados que se transformam gradualmente para formas completamente diferentes." http://pt.wikipedia.org/wiki/Maurits_Cornelis_Escher
(Acessado em 23:00 de 14/09/2009)

Esta imagem das escadas é uma obra de Escher. As criações de Escher são muito mais complexa em relação as perspectivas sobrepostas. Interessante se examinarmos as impossibilidades existentes.
De qualquer forma, as letras inicias deste senhor se associam a marca da MCE-Byte Visões Virtuais.
Tem origem holandesa, mas esteve em diversas partes da Europa. Escher estudou arquitetura mas voltou-se para a prática de artes plásticas, principalmente gráficas. Mas o mais interessante é o caráter inovador e original que suas obras retratam.
Uma figura plasticamente agradável e bela se torna ainda mais atraente pela ideia de torná-la algo impossível.
Como uma mera hipótese, mas acredito que esta foi a ideia de a MCE-Byte ter adotado este simbolo. As iniciais de um autor incrível em sua diversidade de expressão perspectiva. Que sob uma religião critica em seu conservadorismo, o Judaismo, soube contornar as tradições, sem agredi-las, de sua cultura e religião para produzir algo ainda mais interessante.
Logo a MCE-Byte condizente com este simbolo, deve auto denominar-se praticante de feitos impossíveis.
Saudações de um mero apreciador de arte, que pretende ser arquivista!

10 de setembro de 2009

Análise de certificado

A quarta atividade proposta foi à criação e posterior análise de um certificado de acordo com a Heloisa Bellotto. O cetificado foi elaborado sem levar em consideração nenhum conhecimento teórico. Este foi o modelo criado em sala de aula.



A definição de certificado, segundo Bellotto é a seguinte: “ documento diplomático testemunhal, comprobatório, descendente, notarial ou não. Declaração que garante a veracidade de um fato, de um estado de coisas, o bom estado ou funcionamento de um objeto/ equipamento.”
Para se realizar a análise devem-se analisar três partes: protocolo inicial, texto e o protocolo final.
Levando em consideração o nosso certificado, faremos a análise observando as três partes mencionadas:

Protocolo inicial

· Titulação (intitulatio) que é formada pelo nome da autoridade soberana de que emana o ato ou por seus títulos, no caso a UNB;
· Direção ou endereço (inscriptio), parte que nomeia a quem o ato se dirige, no caso o Fulano de Tal.

Texto

· Dispositivo, que é a substância do ato, seu “assunto” propriamente dito, no caso o workshop.

Protocolo final

Subscrição/assinatura (subscriptio), assinatura do emissor do documento, no caso a assinatura da UnB.

Como pode ser observado, o nosso certificado passou longe do ideal. Elementos de grande importância com a data tópica, a data cronológica, o papel adequado, elementos de validação como o carimbo, que sevem para reiterar a legalidade do documento não constaram no certificado.
Além disso, colocamos elementos que não condizem com um certificado, como a assinatura ao final do certificado do participante do evento, atribuímos a produção do certificado a mais de um produtor.

Análise de um certificado original


O professor propôs a análise de um certificado autêntico,e a identificação dos elementos diplomáticos presentes nele. Assim, digitalizamos um certificado original e iremos analisá-lo.

Protocolo inicial

Titulação (intitulatio) : o logo tipo da UnB, o cabeçalho contendo do Decanato e a secretaria de Administração Acadêmica, papel com a marca dá universidade;
Direção ou endereço (inscriptio), o nome da aluna que participou do evento (a parte que recortamos).

Texto

Dispositivo: o texto em si, declarando que aluna participou do evento de extensão.

Protocolo final
Data tópica: Brasília;
Data cronológica: 17 de junho de 2009;
Subscrição/assinatura (subscriptio), assinatura do Diretor de Administração Acadêmica, e assinatura do Decano de extensão.

9 de setembro de 2009

Informações sobre Janice Gonçalves.


Graduada em História (1986), possui mestrado (1995) e doutorado em História Social (2006) pela Universidade de São Paulo. É professora efetiva da Universidade do Estado de Santa Catarina. atua na área de Memória e Patrimônio Cultural, com ênfase nas questões relacionadas ao patrimônio arquivístico. Nos últimos anos tem também realizado estudos sobre historiografia em Santa Catarina. publicou vários artigos e livros dentre eles uma parceria com a professora Heloisa Bellotto, o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. São Paulo: CENADEM, 1990.
Mais a publicação mais conhecida de Janice é a COMO CLASSIFICAR E ORDENAR DOCUMENTOS DE ARQUIVO. como se pode ver no link.


4 de setembro de 2009

Acervo do CID

ACERVO DO CID

Espécies

Funções

Tipos

Idade

Ata

Reunião

De reunião

Permanente

Inventário

Atividade/

material

De atividades/de material

Permanente

Regimento

Funcionamento

De funcionamento interno

Permanente

Plano

Aula

De aula

Permanente

Comprovante

Matrícula

De matrícula

Corrente

Avaliação

Desempenho

De desempenho

Corrente

Cartas

Convite

De convite

Corrente

Memorando

Diverso

De diversos assuntos

Corrente

Oficío

Diverso

De diversos assuntos

Corrente

Histórico

Aluno

Do aluno

Corrente

Contrato

Pessoal

De pessoal

Corrente

Processo

Material

Aquisição de material

Corrente

Curriculum

Pessoal

De pessoal

Intermediário

Sugestão de Classificação:

A classificação dos documentos da área-meio deve ser feita conforme a Resolução n. 14 do CONARQ, considerando que a UnB está ligada ao Poder Executivo.

Para a área-fim o Plano de Classificação à ser elaborado se dividiria em três Classes:

ENSINO

GRADUAÇÃO

ARQUIVOLOGIA

ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE

DECLARAÇÃO DE ESCOLARIDADE

REGISTRO DE ACOMPANHAMENTO DE AULA.

HISTÓRICO ESCOLAR.

PRODUÇÃO ACADÊMICA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

AVALIAÇÕES.

TRABALHO FINAL DE CURSO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PROFESSOR.

BIBLIOTECONOMIA

ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE

DECLARAÇÃO DE ESCOLARIDADE

REGISTRO DE ACOMPANHAMENTO DE AULA.

HISTÓRICO ESCOLAR.

PRODUÇÃO ACADÊMICA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

AVALIAÇÕES.

TRABALHO FINAL DE CURSO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PROFESSOR.


MUSEOLOGIA

ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE

DECLARAÇÃO DE ESCOLARIDADE

REGISTRO DE ACOMPANHAMENTO DE AULA.

HISTÓRICO ESCOLAR.

PRODUÇÃO ACADÊMICA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

AVALIAÇÕES.

TRABALHO FINAL DE CURSO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PROFESSOR.


PÓS-GRADUAÇÃO

MESTRADO, DOUTORADO E ESPECIALIZAÇÃO.

ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE

EDITAL DOS ALUNOS APROVADOS.

LISTA DE OFERTA DE DISCIPLINAS

INGRESSO DE ALUNO.


PESQUISA

PRODUÇÃO CIENTÍFICA.


EXTENSÃO

PALESTRAS E ENCONTROS

PROGRAMAS E PROJETOS.

SIMPÓSIOS.


Sugestão de Ações:

Criação de uma Política de Gestão Documental que contemple todos os princípios arquivísticos.

Elaboração de um Plano de Classificação e uma Tabela de Temporalidade para a área-fim;

Treinamento de pessoal;

Construção de um local adequado;

Aquisição de mobiliário para acondicionamento do material, tais como: caixas, camisa para documentação permanente entre outros;

Aquisição de material para manipular os documentos, tais como: luvas, mascára, jaleco entre outros;

Estabelecer critérios básicos de conservação e preservação tais como: climatização, higienização e manutenção do acervo;

Prever a migração e estabelecer critérios de organização para os documentos em suporte digital, considerando questões como a segurança e autenticidade da informação e os backups.

Diplomatica e o Cotidiano

Atividade da primeira aula.
Na aula do dia 21/08, realizamos a seguinte atividade:conceituação de diplomática, tipologia e análise de alguns documentos.
O que é Diplomática?
Ciência que estuda a verificação e atesto da autenticidade documental. Não se baseando meramente nas propriedades físicas, mas a observância da estrutura formal dos documentos sob uma mesma forma jurídica, que são impostas e sistemáticas aplicadas pelo Direito. Garante, portanto, legitimidade e autenticidade de ação relativa produção e uso jurídico-administrativo.

O que é Tipologia?
Estuda o meio de interação documental, em que a produção e uso jurídico-administrativo é estritamente associado a atividade que o gerou, ou seja, o produtor e interesses e relações da criação do documento.

Por que é importante estudar diplomática na arquivologia?
É de grande importância pela identificação mais precisa dos documentos saindo de uma consideração meramente documental. Provocando estudo da relação documento e seu meio de produção e uso da entidade a qual está atrelada.
Dentre os documentos expostos, escolhemos cinco para análise:
1º documento
Documento:preservativo
Suporte:látex
Emissor:Ministério da Saúde
2º documento
Documento:CD de instalção do pacote Office
Suporte:eletrônico
Gênero:Informático
Forma:Original
Emissor:Microsoft Corporation

3º documento
Documento:Plano de ensino
Suporte:Papel
Gênero:Textual
Forma:Original
Emissor: CID

4º documento
Documento:Medalha
Suporte:Metal

5º documento
Documento:Registro e acompanhamento de aula
Suporte:Papel
Gênero :Textual
Emissor:CID
Loading...